quarta-feira, 11 de maio de 2011

Lua - O mais longe que nossos pés alcançaram


Dados básicos:
  • Distância com relação à Terra: Perigeu: 363.104 km - Apogeu: 405.696 km
  • Diâmetro: 3474,8 km
  • Variação da temperatura na superfície: -173,1ºC – 116,9°C
  • Rotação: 29,5 dias
  • Translação (em torno da Terra): 29,5 dias
  • Planeta: Terra
            Um céu permanentemente negro, enormes crateras de até 200 km de diâmetro, ausência de atmosfera e temperaturas que variam de 100ºC a dezenas de graus abaixo de zero. Apesar do aspecto sombrio, a Lua sempre exerceu um fascínio na humanidade, inspirando tanto artistas e casais apaixonados como astrônomos e observadores do céu. Na década de 1960, o encanto pelo satélite natural da Terra tornou-se obsessão com a corrida espacial, empreendida por norte-americanos e soviéticos, rumo a Lua.

Origem:


            Apesar dos estudos e dos dados científicos existentes, a origem da Lua permanece até hoje envolta em mistério. Não se sabe se ela é um corpo celeste capturado pela gravidade terrestre, se é fruto da colisão de um objeto com a Terra (teoria mais aceita) – que teria lançado fragmentos ao espaço e formando a Lua – ou se foi constituída na mesma época que nosso planeta.
            Seja como for, no início de seu processo de formação, a Lua era recoberta de lava fundida. O resfriamento gradual desse material criou uma crosta uniforme, com rochas claras, submetidas posteriormente a intensos e constantes choques e meteoritos, o que fez com que ela ficasse repleta de crateras. A energia provocada pelos impactos aqueceu novamente o interior lunar e fundiu o magma, que formou as regiões baixas, visíveis na Terra com manchas escuras.
            Chamadas de mares lunares, essa regiões possuem poucas crateras e constituem uma pequena parte da superfície. Depois que os grandes choques cessaram, a cerca de 2 bilhões de anos, os poucos impactos ocorridos fragmentaram as rochas superficiais, gerando os minúsculos grãos de poeira que compõem o solo lunar. As montanhas, ao contrário têm o maior número de crateras e são os locais mais brilhantes quando observados da Terra.

Mundo de fases:


Uma mesma fase lunar ocorre para o mundo todo, não importa a localização do observador. Porém, elas não são vistas da mesma forma. No hemisfério Norte o aspecto da Lua é invertido em relação ao visto por um observador no hemisfério Sul.
Fases:

Nova: é quando o hemisfério lunar voltado para a Terra não reflete nenhuma luz do Sol. Dizemos também que a Lua está em conjunção com o Sol. A Lua Nova só é visível durante os eclipses do Sol que, aliás, só acontecem quando é Lua Nova. Nessa fase, o ângulo entre Sol, Terra e Lua é praticamente zero. A Lua Nova nasce por volta das seis horas da manhã e se põe às seis da tarde. Ou seja, ela transita pelo céu durante o dia.

Crescente: cerca de sete dias e meio depois da Lua Nova, a Lua deslocou-se 90° em relação ao Sol e está na quadratura ou primeiro quarto. É o quarto-crescente. A Lua nasce aproximadamente ao meio-dia e se põe à meia-noite. Seu aspecto é o de um semicírculo voltado para o Oeste. Vista do hemisfério Sul, a aparência do quarto-crescente lembra a letra “C”, de crescente. Mas no hemisfério Norte, ao contrário, a Lua crescente se parece um “D”.

Cheia: passados 15 dias da Lua Nova, dizemos que a Lua está em oposição ao Sol. É Lua Cheia. Os raios solares incidem verticalmente sobre o nosso único satélite natural, iluminando 100% do hemisfério voltado para a Terra. O ângulo Sol-Terra-Lua agora é de 180 graus. Lua e Sol estão em lados diametralmente opostos do céu.
             Curiosamente, essa é a pior ocasião para observar a Lua ao telescópio, pois a luz do Sol que incide sobre o satélite quase não produz sombra, o que dificulta o reconhecimento de crateras e outros acidentes do terreno. A Lua Cheia é visível durante toda a noite, nascendo por volta das dezoito horas e se pondo às seis da manhã. Somente numa noite de Lua Cheia pode acontecer um eclipse lunar.

Minguante: uma nova quadratura surge quando a diferença angular é de 270°. Neste dia, o aspecto da Lua é de um semicírculo voltado para o Leste. A Lua nasce à meia-noite e se põe ao meio-dia, aproximadamente. O quarto-minguante é também conhecido como quarto-decrescente e, visto do hemisfério Sul, a Lua realmente lembra uma letra “D” (de decrescente). 



The Dark Side of the Moon”:


A Lua está sempre com uma mesma face voltada para a Terra, mas isso não significa que ela não se mova. Na verdade, a Lua gira ao redor de seu eixo e, ao mesmo tempo, em torno da Terra. Os dois movimentos, no entanto, coincidem de tal modo que um lado do satélite está sempre visível e o outro, oculto.  

Perigeu e Apogeu:


            A órbita lunar não é circular. O astrônomo alemão Johannes Kepler mostrou que os corpos celestes se movem em elipses em volta de outros objetos mais massivos que eles próprios, como estrelas e planetas.
            À primeira vista, as elipses se apresentam de formas muito diferentes, podendo ser bastante alongadas (como as órbitas dos cometas) ou quase indistinguíveis de uma circunferência (como a órbita da Terra). Porém, toda órbita elíptica tem um ponto de maior e de menor aproximação com o astro central. Chamamos a menor distância de perigeu (do grego peri, próximo, e gee, derivado de Terra) e a maior de apogeu.

Exploração lunar:


            “Um pequeno passo para o homem, um salto gigantesco para a humanidade”. Uma das mais célebres frases da história foi pronunciada exatamente às 23h 56 min e 20s de 20 de Julho de 1969, por Neil Armstrong, o primeiro ser humano a pisar em solo lunar.
            Após a USS enviar ao espaço o primeiro homem, os EUA não poderiam deixar de dar troco, afinal era época de corrida espacial.
O Então presidente norte-americano, John Kennedy, pronunciou: “Faremos uma nave espacial que chegue a Lua, com o propósito de poder enviar um homem e trazê-lo de volta à Terra, antes do fim deste década”.
E assim foi feito. Com o programa espacial Apollo o homem pela primeira vez chegou a Lua.
Ao todo foram 6 expedições que conseguiram com sucesso pousar em terreno lunar: Apollo 11, 12, 14, 15, 16 e 17. (Em breve post com mais detalhes das expedições).


“Aqui, homens do planeta Terra pisaram pela primeira vez na Lua, em Julho de 1969. Viemos em paz, em nome de toda humanidade”. 
Placa deixada em solo lunar  


Fontes: Atlas do Universo; Astronomia no Zênite

Um comentário:

  1. Ola,
    faço Engenharia e sou bolsista do Observatorio do Clube de Astronomia Louis Cruls, do IFF Campos Centro; e pertenço a este Clube desde criança.
    Quando soube da criação desde Clube em Itaperuna criei um artigo para o meu blog (http://daterraparaasestrelas.blogspot.com/2011/05/itaperuna-agora-possui-um-clube-de.html)
    E recebi uns emails com mensagens de outros sites.
    Queria um email para entrar em contato com voces para enviarem essas e outras noticias.
    Abraço.
    (http://daterraparaasestrelas.blogspot.com/)

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Marcadores

10 anos 10th IMAA ABC da Astronomia Adonai Lopes Água Alinhamento anã fria andrômeda Antimatéria Asteroid day Asteroides Astrobiologia Astrofísica Astronauta Astronáutica Astronomia Astronomia na Praça Atmosfera Bibliografias Big Bang bolha Brasil Buraco Negro C.E.C Calendários calourada Caravana da Ciência e Cidadania Carl Sagan Caronte CARONTE 2016 Caronte no 10th IMAA Cassini Cataclismos Centro Educacional Caminhar CERN céu cfc China chuva Ciência Cinturão de Kuiper Clube Caronte Cometa Cometas competição Constelações Corpos Extrasolares Cosmologia Curiosidades Curiosity descoberta Divulgação Eclipse Eclipse Lunar efeitos Efeméredes Einstein Elias Cloy Encontro Internacional de Astronomia e Astronáutica Eratóstenes ESA ESO espaço estrela Estrelas Eventos Exoplanetas Exploração Espacial Extensão Fenômenos Naturais Fim do Universo Física Moderna Foguete Foguetes foto Fundação São José Gagarin Gagarin O Primeiro no Espaço | Filme Completo galaxia Galáxias garrafa pet Gigantes Vermelhas Grandes astrônomos Gravidade Grécia Greenglow História Astronômica IAU IFF IFFluminense Campus Itaperuna IMAA Imagens da Semana Índia Início dos trabalhos ISS Itaperuna IV Semana da Fundação Júpiter Kepler laranjada Lixo Espacial Louis Cruls Lua Maikon Vieira Mark Zuckerberg Marte Matéria e Energia Escura Matheus Vieira membros do clube Mercúrio Meteorologia Meteoros Missão Marte mistériio Mitologia Mitologia Indígena MOBFOG MOFOG mundo Nasa NASA publica a maior foto mundo!! Nely Bastos Nicolau Copérnico Nobel Notícias Notícias de Astronomia O projeto misterioso OBA objerto Observação celeste oficina Ondas Gravitacionais ONU Origem da Vida Pesquisas Públicas Planeta anão Planetas planetas habitáveis Plutão Poluição Luminosa Popularização da Ciência Premiação I Competição de Foguetes Caronte Premiação OBA 2016 Prof. Adriano Ferrarez Pulsar Quasar Radiotelescópios Relatividade robô Rodrigo de O. França Ron Evans Rússia Salvar a Humanidade Samanta Meireles Satélites Satélites Artificiais Saturno Sávio Andrade SERÁ QUE O SER HUMANO PODERÁ MESMO VIVER NO ESPAÇO? Sistema Solar Sol Sonda Sondas SpaceX Stephen Hawking superlua Telescópio Hubble Telescópios Tempestade Solar Terça dia 22/03/2016 Terra Universo Vênus Very Large Telescope (VLT) Via Láctea Viagem Interestelar Vida Extraterrestre Vídeos