quarta-feira, 20 de abril de 2011

Marcos Pontes – o 1º brasileiro

            Em 29 de março de 2006, às 23:30 (horário de Brasília), Marcos Pontes, acompanhado do russo Pavel Vinogradov e do norte-americano Jeffrey Williams, partiu da base de Baikonur, no Cazaquistão, a bordo da nave russa Soyuz TMA-8. Ali também partia todo povo brasileiro, para sua primeira visita ao espaço.
            Em março de 1963, nascia mais um brasileirinho, porém esse era diferente, seria este que alcançaria os degraus além da atmosfera terrestre, abrindo um novo horizonte para o Brasil no espaço.       
Desde criança Marcos Pontes passava horas olhando para o céu. Gostava de ir ao Aeroclube de Bauru, cidade natal, para ver a Esquadrilha da Fumaça e de visitar a Academia da Força Aérea, onde seu tio trabalhava.
            Marcos sempre estudou em escolas públicas em Bauru. Em 1981 ingressou na Academia da Força Aérea. Após a conclusão do curso na AFA, Marcos foi designado para o curso de caça em Natal-RN. Foi nessa época que conheceu sua esposa Francisca de Fátima Cavalcanti.
Em 1989, Pontes iniciou o curso de engenharia aeronáutica no Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), em São José dos Campos, São Paulo, recebendo o título de engenheiro em 1993. Em 1998, tornou-se mestre em engenharia de sistemas pela Naval Postgraduate School, localizada em Monterrey, Califórnia. No mesmo ano seria integrado a NASA, tornando-se oficialmente astronauta em 2000.
            Ali começaria a novela da participação brasileira na Estação Espacial Internacional (ISS). Para o Brasil poder estar entre os países participantes a Agencia Espacial Brasileira (AEB) deveria produzir seis peças com investimento estimado na indústria brasileira de 120 milhões de dólares em cinco anos, para equipar a ISS. Porém o governo não investia o suficiente na área para tal.
            Só com a intervenção do próprio Marcos Pontes, buscando auxílio junto ao SENAI-SP/FIESP, o Brasil começou a caminhar com passos lentos a realização de sua parte no acordo com os demais paises.
            Porém outro evento fez com que Pontes perdesse, mais uma vez, as esperanças de sua viagem ao espaço. Os acidentes com os ônibus espaciais em 2003, que provocou atrasos operacionais e o cancelamento do uso dos mesmos, até segunda ordem.
            Só em 2005, com uma surpreendente decisão da AEB, que Marcos enfim viu seu sonho e dos brasileiros realizado. Realizar a Missão Centenário em 2006 com os objetivos de realizar experimentos nacionais em microgravidade, fomentar essa área da ciência no Brasil, promover o programa espacial (marcado negativamente pelo acidente de Alcântara), motivar milhões de jovens estudantes em todo o Brasil para as carreiras de C&T, e criar a maior homenagem internacional ao Centenário do vôo histórico de Santos Dumont.
            A missão seria possível utilizando a participação brasileira na ISS, mas teria de ser feita através do outro parceiro majoritário, a Rússia, visto a impossibilidade operacional dos ônibus espaciais americanos. Sendo Pontes o tripulante da Missão.
            Pontes seguiu para a Rússia em outubro de 2005. Tendo na frente outro grande desafio: aprender todos os sistemas do Soyuz (espaçonave russa), dos módulos russos da ISS em menos de seis meses e também o idioma local.
            Mas ele venceu! E o coração Brasileiro decolou para o espaço no dia 29 de Março de 2006 às 23:30 (horário no Brasil).


            Em entrevista disse: “Eu sempre tive o sonho de voar, sonho este que me sustenta até hoje. Eu pensava em ser piloto da FAB. Ser astronauta parecia meio fora de alcance.” 
Mal sabia ele que voaria muito além do que imaginara...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Marcadores

10 anos 10th IMAA ABC da Astronomia Adonai Lopes Água Alinhamento anã fria andrômeda Antimatéria Asteroid day Asteroides Astrobiologia Astrofísica Astronauta Astronáutica Astronomia Astronomia na Praça Atmosfera Bibliografias Big Bang bolha Brasil Buraco Negro C.E.C Calendários calourada Caravana da Ciência e Cidadania Carl Sagan Caronte CARONTE 2016 Caronte no 10th IMAA Cassini Cataclismos Centro Educacional Caminhar CERN céu cfc China chuva Ciência Cinturão de Kuiper Clube Caronte Cometa Cometas competição Constelações Corpos Extrasolares Cosmologia Curiosidades Curiosity descoberta Divulgação Eclipse Eclipse Lunar efeitos Efeméredes Einstein Elias Cloy Encontro Internacional de Astronomia e Astronáutica Eratóstenes ESA ESO espaço estrela Estrelas Eventos Exoplanetas Exploração Espacial Extensão Fenômenos Naturais Fim do Universo Física Moderna Foguete Foguetes foto Fundação São José Gagarin Gagarin O Primeiro no Espaço | Filme Completo galaxia Galáxias garrafa pet Gigantes Vermelhas Grandes astrônomos Gravidade Grécia Greenglow História Astronômica IAU IFF IFFluminense Campus Itaperuna IMAA Imagens da Semana Índia Início dos trabalhos ISS Itaperuna IV Semana da Fundação Júpiter Kepler laranjada Lixo Espacial Louis Cruls Lua Maikon Vieira Mark Zuckerberg Marte Matéria e Energia Escura Matheus Vieira membros do clube Mercúrio Meteorologia Meteoros Missão Marte mistériio Mitologia Mitologia Indígena MOBFOG MOFOG mundo Nasa NASA publica a maior foto mundo!! Nely Bastos Nicolau Copérnico Nobel Notícias Notícias de Astronomia O projeto misterioso OBA objerto Observação celeste oficina Ondas Gravitacionais ONU Origem da Vida Pesquisas Públicas Planeta anão Planetas planetas habitáveis Plutão Poluição Luminosa Popularização da Ciência Premiação I Competição de Foguetes Caronte Premiação OBA 2016 Prof. Adriano Ferrarez Pulsar Quasar Radiotelescópios Relatividade robô Rodrigo de O. França Ron Evans Rússia Salvar a Humanidade Samanta Meireles Satélites Satélites Artificiais Saturno Sávio Andrade SERÁ QUE O SER HUMANO PODERÁ MESMO VIVER NO ESPAÇO? Sistema Solar Sol Sonda Sondas SpaceX Stephen Hawking superlua Telescópio Hubble Telescópios Tempestade Solar Terça dia 22/03/2016 Terra Universo Vênus Very Large Telescope (VLT) Via Láctea Viagem Interestelar Vida Extraterrestre Vídeos