quinta-feira, 13 de junho de 2013

Sulcos em Marte são marcas de 'tobogãs' de gelo seco, dizem cientistas



Um estudo divulgado em uma publicação científica sugere que algumas ranhuras longas e finas encontradas em pontos da superfície de Marte podem ter sido feitas não por água, mas por blocos de dióxido de carbono congelado, também conhecido como gelo seco.

De acordo com a hipótese dos cientistas, os blocos deslizariam pelas dunas de areia de Marte sobre "almofadas" de gás de dióxido de carbono, como se fossem tobogãs.
Pedaços de gelo seco podem ter deslizado pelas dunas marcianas causando sulcos na superfície do planeta

Essas marcas estudadas pelos cientistas, chamadas por eles de sulcos lineares, têm uma extensão que varia entre algumas centenas de metros até 2,5 quilômetros.

A hipótese, divulgada na publicação científica Icarus, foi formulada após a análise de imagens da Mars Reconnaissance Orbiter, a sonda da Nasa que busca provas da existência de água em Marte.

Testes

As marcas estavam nas dunas que são cobertas por geada de gelo seco. Durante o inverno no polo sul do Planeta Vermelho, essa camada de gelo seco que pode chegar a um metro de profundidade.
Na primavera, esta camada é sublimada, passando diretamente do estado sólido para o gasoso.

"Os sulcos lineares não se parecem com sulcos na Terra ou outros sulcos em Marte, e este processo não aconteceria na Terra", explicou Serina Diniega, cientista planetária do Laboratório de Propulsão a Jato da Nasa na Cafifórnia e um dos autores da pesquisa.

Para testar a hipótese e constatar se o gelo seco pode deixar este tipo de fissuras, os cientistas pegaram blocos de gelo seco e os fizeram deslizar por dunas de areia nos Estados americanos de Utah e da Califórnia.

Os testes realizados no deserto mostraram que os blocos de gelo repartiram a areia, deixando marcas enquanto deslizavam pelas dunas.

Apesar de esta experiência não levar em conta a pressão e a temperatura de Marte, os pesquisadores acreditam que os blocos de gelo poderiam se comportar de forma semelhante em Marte.

Além disso, os cientistas acreditam que os sulcos marcianos seriam diferentes se tivessem sido criados por água. Nesse caso, a água carrega "sedimentos pela colina abaixo, e o material erodido do topo é levado para o fundo e depositado em (uma formação) com o formato de um leque", afirmou Diniega.

"Com os sulcos lineares, você não está transportando material. Você está esculpindo uma ranhura, empurrando o material para os lados", acrescentou.

Diferentes sulcos

Outra autora do estudo, Candice Hansen, do Instituto de Ciência Planetária da cidade de Tucson, no Estado americano do Arizona, afirmou que as ranhuras pesquisadas são únicas - e podem ser confundidas com outras encontradas no próprio planeta.

"A Mars Reconnaisance Orbirter está mostrando que Marte é um planeta muito ativo. Alguns dos processos que observamos em Marte são parecidos com os processos da Terra, mas este está na categoria dos (processos) exclusivos de Marte."

"Existe uma variedade de características em Marte que, às vezes, são colocadas juntas como 'sulcos', mas elas são formadas por processos diferentes", acrescentou.
"E apenas pelo fato de esta hipótese do gelo seco parecer uma boa explicação para um tipo (de sulco), não significa que possa ser aplicada para outras", disse.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Marcadores

10 anos 10th IMAA ABC da Astronomia Adonai Lopes Alinhamento anã fria andrômeda Antimatéria Asteroides Astrobiologia Astrofísica Astronauta Astronáutica Astronomia Astronomia na Praça Bibliografias Big Bang bolha Brasil Buraco Negro C.E.C Calendários calourada Caravana da Ciência e Cidadania Carl Sagan Caronte CARONTE 2016 Caronte no 10th IMAA Cassini Cataclismos Centro Educacional Caminhar CERN céu cfc China chuva Cinturão de Kuiper Clube Caronte Cometa Cometas competição Constelações Corpos Extrasolares Cosmologia Curiosidades Curiosity descoberta Divulgação Eclipse Eclipse Lunar efeitos Efeméredes Einstein Elias Cloy Encontro Internacional de Astronomia e Astronáutica Eratóstenes ESA ESO espaço estrela Estrelas Eventos Exoplanetas Exploração Espacial Extensão Fenômenos Naturais Fim do Universo Física Moderna Foguete Foguetes foto Gagarin Gagarin O Primeiro no Espaço | Filme Completo galaxia Galáxias garrafa pet Gigantes Vermelhas Grandes astrônomos Gravidade Grécia Greenglow História Astronômica IAU IFF IFFluminense Campus Itaperuna IMAA Imagens da Semana Índia Início dos trabalhos ISS Itaperuna Júpiter Kepler laranjada Lixo Espacial Louis Cruls Lua Maikon Vieira Mark Zuckerberg Marte Matéria e Energia Escura membros do clube Mercúrio Meteorologia Meteoros Missão Marte mistériio Mitologia Mitologia Indígena MOBFOG MOFOG mundo Nasa NASA publica a maior foto mundo!! Nely Bastos Nicolau Copérnico Nobel Notícias Notícias de Astronomia O projeto misterioso OBA objerto Observação celeste oficina Ondas Gravitacionais ONU Origem da Vida Pesquisas Públicas Planeta anão Planetas planetas habitáveis Plutão Poluição Luminosa Popularização da Ciência Premiação I Competição de Foguetes Caronte Premiação OBA 2016 Prof. Adriano Ferrarez Pulsar Quasar Radiotelescópios Relatividade robô Rodrigo de O. França Ron Evans Rússia Salvar a Humanidade Samanta Meireles Satélites Satélites Artificiais Saturno Sávio Andrade SERÁ QUE O SER HUMANO PODERÁ MESMO VIVER NO ESPAÇO? Sistema Solar Sol Sonda Sondas SpaceX Stephen Hawking superlua Telescópio Hubble Telescópios Tempestade Solar Terça dia 22/03/2016 Terra Universo Vênus Very Large Telescope (VLT) Via Láctea Viagem Interestelar Vida Extraterrestre Vídeos