quarta-feira, 6 de junho de 2012

Postos de Vigília


Desde as civilizações antigas, observatórios dos mais rudimentares aos mais modernos são erguidos para ver o céu. Atualmente, as lentes voltadas para o universo possibilitam enxergar muito além da Via Láctea.
Observatórios astronômicos são tão antigos quanto o interesse do homem pelos mistérios do céu. No início eram construídos com o objetivo de rastrear as posições do Sol e da Lua para demarcar o calendário terrestre. Observar os astros era importante para as comunidades que dependiam da agricultura para sobreviver. Hoje em dia, eles são usados para compreender o cosmo e solucionar questões que intrigam os especialistas.

Stonehenge, observatório celta na ilha de Bretanha

Acredita-se que uma das primeiras estruturas para a observação do céu tenha sido Stonehenge, construída na Inglaterra entre 2500 a.C e 1700 a.C. As ruínas do sítio arqueológico, que parecem estar dispostas de forma caótica, na verdade marcaram com precisão os solstícios de inverno e de verão, quando o Sol se posiciona exatamente entre as pedras principais. Contemporâneos à Stonehenge são os zigurates, espécies de torres com abertura para os céus, de onde os babilônios faziam suas observações dos astros. As civilizações pré colombianas, por sua vez, erguiam construções nas quais, em determinado dia do ano, o reflexo do Sol se encaixava perfeitamente.
Observatório em Chichen-Itzá, uma cidade Maia
 Os observatórios que conhecemos atualmente nasceram no mundo islâmico entre os séculos IX e X, nas cidades de Damasco e Bagdá.Neles, os astrônomos dedicavam-se á observação dos astros não apenas com objetivos religiosos ou interesses práticos – como a atualização de calendários - , mas com propostas científicas.
Entre os que obtiveram mais êxito está o de Maragheh, no atual Irã. Lá, os astrônomos começaram a colocar à prova, por volta de 1260, as teorias ptolomaicas. Cerca de 150 anos depois, o muçulmano Ulug Beg ergueu em Samarcanda, no atual Uzbequistão, outro observatório no qual foram catalogadas centenas de estrelas, anos antes de os europeus as descobrirem.
O primeiro grande observatório moderno foi construído em 1576, na ilha de Hven, pelo rei Frederick, da Dinamarca, a pedido do astrônomo  Tycho Brahe. Depois da invenção do telescópio,no início do século XVII, a Inglaterra criou em Greenwich o primeiro grande centro de observação astronômica da Europa, famoso por ser o marco zero do horário oficial do mundo. Recentemente, Greenwich foi transformado em museu.

Olho Vivo
Observatório de Palomar
O observatório de Mauna Kea, no Havaí,é um dos mais importantes em função da localização e do clima propícios para estudos. Construído em 1964, está a cerca de 4 mil metros de altitude – onde as condições climáticas São ideais para a detecção de raios infravermelhos, que são bloqueados pelo vapor atmosférico. O observatório havaiano é o principal centro de estudos desse tipo de radiação cósmica. Seu maior telescópio é o Keck,com dez metros de diâmetro
Outro observatório famoso é o de Monte Palomar, em San Diego, na costa oeste dos Estados Unidos. Ali localiza-se o telescópio Hale,considerado até 1976 o maior do mundo, com cinco metros de abertura. Inaugurado em 1948, foi responsável por um grande levantamento, realizado durante e década de 1950, que produziu o maior atlas de estrelas e nebulosas até então. O resultado foi publicado pela National Geographic Society. O mapeamento foi repetido na década de 1980 e é um dos mais completos já realizados.

Cerro Paranal

O observatório astronômico de Cerro Paranal, ao norte do Chile,é um dos mais avançados do mundo. Cerro Paranal localiza-se na parte mais seca do Deserto do Atacama,onde as condições para a observação astronômica são extraordinárias. O monte de 2.635 metros de altitude oferece cerca de 350 noites sem nuvens por ano com estabilidade atmosférica pouco comum.
O complexo conta com o Very Large telescope (VLT),conjunto formado por quatro telescópios idênticos de 8,2 metros de diâmetro e três telescópios auxiliares de 1,8 metro de diâmetro,com capacidade para,por exemplo, identificar um astronauta na lua. 

Cerro Paranal, ao norte do Chile

Para evitar que o espelho principal deforme imagens, o VLT conta com um sistema chamado óptica ativa, que mantém a forma ideal do espelho a qualquer momento, graças a 150 pistões que o sustentam e corrigem sua posição de modo sincronizado.Inaugurado m 2006, o VLT é operado por um consórcio científico integrado por oito países europeus. Um de seus objetivos é encontrar novos mundos ao redor de outras estrelas.

Hemisfério Sul
Observatório de Siding Spring Mountain

O maior conjunto de observatórios do Hemisfério Sul está na Austrália .próximo a Canberra fica o maior deles, o de Mount Stromlo, fundado em 1924. Localizado a aproximadamente 800 metros acima do nível do mar, o Mount Stromlo tem um telescópio refletor de quase dois metros.mas o crescimento da cidade vizinha, cuja luz noturna dificulta a análise das estrelas, demandou a construção de um novo observatório em uma região mais remota.
Em 1975, o governo da Austrália,com o auxílio da Grã-Bretanha, construiu o observatório de Siding Spring Mountain, no estado de Nova Gales do Sul. Ele é atualmente um dos mais modernos do mundo, contando com um telescópio principal de 1,2 metro de diâmetro, siilar ao do norte-americano de Monte Palomar.
O Observatório Nacional, em São Cristóvão, no Rio de Janeiro, é o principal do Brasil. Fundado em 1827 por D. Pedro I, é o mais antigo em funcionamento na América do Sul. Possui um telescópio óptico de 1,6 metro.

Fonte: Atlas do Universo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Marcadores

10 anos 10th IMAA ABC da Astronomia Adonai Lopes Água Alinhamento anã fria andrômeda Antimatéria Asteroid day Asteroides Astrobiologia Astrofísica Astronauta Astronáutica Astronomia Astronomia na Praça Atmosfera Bibliografias Big Bang bolha Brasil Buraco Negro C.E.C Calendários calourada Caravana da Ciência e Cidadania Carl Sagan Caronte CARONTE 2016 Caronte no 10th IMAA Cassini Cataclismos Centro Educacional Caminhar CERN céu cfc China chuva Ciência Cinturão de Kuiper Clube Caronte Cometa Cometas competição Constelações Corpos Extrasolares Cosmologia Curiosidades Curiosity descoberta Divulgação Eclipse Eclipse Lunar efeitos Efeméredes Einstein Elias Cloy Encontro Internacional de Astronomia e Astronáutica Eratóstenes ESA ESO espaço estrela Estrelas Eventos Exoplanetas Exploração Espacial Extensão Fenômenos Naturais Fim do Universo Física Moderna Foguete Foguetes foto Fundação São José Gagarin Gagarin O Primeiro no Espaço | Filme Completo galaxia Galáxias garrafa pet Gigantes Vermelhas Grandes astrônomos Gravidade Grécia Greenglow História Astronômica IAU IFF IFFluminense Campus Itaperuna IMAA Imagens da Semana Índia Início dos trabalhos ISS Itaperuna IV Semana da Fundação Júpiter Kepler laranjada Lixo Espacial Louis Cruls Lua Maikon Vieira Mark Zuckerberg Marte Matéria e Energia Escura Matheus Vieira membros do clube Mercúrio Meteorologia Meteoros Missão Marte mistériio Mitologia Mitologia Indígena MOBFOG MOFOG mundo Nasa NASA publica a maior foto mundo!! Nely Bastos Nicolau Copérnico Nobel Notícias Notícias de Astronomia O projeto misterioso OBA objerto Observação celeste oficina Ondas Gravitacionais ONU Origem da Vida Pesquisas Públicas Planeta anão Planetas planetas habitáveis Plutão Poluição Luminosa Popularização da Ciência Premiação I Competição de Foguetes Caronte Premiação OBA 2016 Prof. Adriano Ferrarez Pulsar Quasar Radiotelescópios Relatividade robô Rodrigo de O. França Ron Evans Rússia Salvar a Humanidade Samanta Meireles Satélites Satélites Artificiais Saturno Sávio Andrade SERÁ QUE O SER HUMANO PODERÁ MESMO VIVER NO ESPAÇO? Sistema Solar Sol Sonda Sondas SpaceX Stephen Hawking superlua Telescópio Hubble Telescópios Tempestade Solar Terça dia 22/03/2016 Terra Universo Vênus Very Large Telescope (VLT) Via Láctea Viagem Interestelar Vida Extraterrestre Vídeos