quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Um Universo de Galáxias


Imensidão Galáctica

Os cientistas estimam que existam pelo menos 125 bilhões de galáxias no universo. Diante disso, a via láctea – a galáxia onde se localiza a Terra seria apenas como uma gota d`água em um vasto oceano.
Um ano-luz é uma distância e tanto. Equivale a 9,5 trilhões de quilômetros -  algo inimaginável para a nossa escala cotidiana, no entanto íntimo para a astronomia, que está acostumada a trabalhar com números e escalas bem maiores. Para sermos mais precisos, um ano-luz é a distância que a luz percorre no vácuo durante o período de um ano à velocidade de 300.000 Km/s. A Via Láctea, a galáxia onde se localiza o sistema solar, têm diâmetro de 100 mil anos-luz. Ou seja, para ir de um extremo ao outro seriam necessários 100 mil anos viajando na velocidade da luz! Pode parecer bastante mas para as dimensões do universo ainda é bem pouco.

Andrômeda, galáxia mais próxima da Via láctea e mesmo assim muito distante
A galáxia de Andrômeda, vizinha da Via Láctea, localiza-se a aproximadamente 2,3 milhões de anos-luz de distância. Retomando a comparação, para chegar a Andrômeda um viajante gastaria mais de 2 milhões de anos cruzando o espaço na velocidade da luz. 
É impressionante, mas é bom lembrar que, levando em conta as distâncias astronômicas, ir da Via Láctea a Andrômeda seria como sair de casa e chegar, no máximo, à casa do vizinho. Assim, pensando que podem existir 125 bilhões de galáxias no universo, como calculam os astrônomos, é possível ter uma ideia da grandiosidade do cosmos.

Primeiras observações

A galáxia é um conjunto massivo de centenas de milhões de estrelas que sofrem os efeitos de uma mesma gravitação e orbitam em torno de um centro comum. Em uma noite límpida, todas as estrelas que podemos ver a olho nu, por exemplo, pertencem à mesma galáxia onde se situa a Terra, a Via Láctea. Além de estrelas, um galáxia tem planetas e outros corpos rochosos, raios cósmicos, nuvens de gás e poeira.
Via láctea vista da Terra
O astrônomo persa Al-Sufi (903-986) teria sido o primeiro a identificar uma galáxia alam da Via Láctea: a de Andrômeda. Ainda assim, até metade do século XVIII, apenas três galáxias haviam sido observadas e descritas.
Com o desenvolvimento e a sofisticação dos telescópios os astrônomos puderam encontrar outras. Com o uso de lentes potentes, o francês Charles Messier (1730-1817) foi capaz de catalogar, até 1780, 32 galáxias. Cada uma delas ganhou um número, antecedido da letra M, em homenagem ao seu descobridor. Por isso Andrômeda é catalogada entre os estudiosos como M31. 

Visão do passado                                    

A fotografia espacial é uma ferramenta importantíssima no estudo de galáxias. Com o auxílio dela, os cientistas já detectaram galáxias localizadas a mais de 10 bilhões de anos-luz da Terra. Isso quer dizer que a luz captada pelos nossos telescópios foi emitida por algumas estrelas há mais de 10 bilhões de anos. Vários desses corpos celestes estão tão distantes que podem ajudar a contar o passado do universo.
O telescópio Hubble durante um bom
tempo foi a principal ferramenta
na busca por novas galáxias
Até o início do século XX, muitos conjuntos de estrelas eram tidos como nebulosas – uma formação de moléculas gasosas que compõe uma espécie de nuvem.
Em 1755, o filósofo Immanuel Kant (1725-1804) levantou a hipótese de que algumas poderiam ser sistemas estelares semelhantes ao nosso. Na época, sua tese não foi levada a sério, mas, passados mais de 150 anos, os astrônomos perceberam que Kant tinha razão, pois constatou-se que várias nebulosas catalogadas pelos cientistas eram, na verdade, galáxias.
O astrônomo norte-americano Edwin Hubble foi o primeiro a classificar as galáxias. Em sua maioria, elas têm aspectos regulares que permitem enquadrá-las em duas classes (espirais e elípticas), de acordo com seu formato. Galáxias sem forma definida são chamadas de irregulares.

Grupos galácticos

Os cientistas constataram que as galáxias quase sempre são encontradas em grupos – chamados também de aglomerados ou cúmulos. A Via Láctea, por exemplo, pertence ao aglomerado denominado Grupo Local. Considerado pequeno, ele é composto de 40 membros que ocupam uma extensão de 3 milhões de anos-luz em sua maior dimensão. As duas galáxias mais luminosas desse grupo são a Via Láctea e Andrômeda, ambas de formato espiral.
Um retrato da imensidão galática.
Cada ponto que você vê na imagem representa uma galáxia.
Os aglomerados, contudo,não são as maiores estruturas do universo. Há ainda os superaglomerados ou supercúmulos, conjuntos separados por grandes distâncias. O mais conhecido entre todos é o Supercúmulo Local, do qual a Via Láctea faz parte. Ele tem cerca de 100 milhões de anos-luz de extensão e, além de ser composto pelo Grupo Local de galáxias, inclui o aglomerado de Virgem.

Colisão sideral

Céu noturno daqui a 4 bilhões de anos 
terá como atração a colisão entre nossa galáxia 

e Andrômeda. Tal fenômeno resultará na 

formação de um nova galáxia elíptica.
Galáxias podem colidir umas com as outras. Havendo uma interação de galáxias de tamanhos semelhantes, pode ocorrer uma fusão entre elas. Quando uma galáxia muito grande interage com outra menor, as forças da maré gravitacional da maior podem ser tão fortes a ponto de destruir a estrutura da galáxia menor. Dessa forma, a primeira incorpora os fragmentos da segunda. Esse fenômeno é conhecido como canibalismo galáctico. 

O encontro entre duas galáxias, no entanto, nem sempre resulta em uma fusão. Se a interação entre elas é fraca, ambas podem sobreviver, mas o efeito da maré gravitacional provoca o surgimento de pontes ou caudas em um ou nos dois lados das galáxias.


Fonte: Atlas do Universo

Mais imagens:



Galáxia do Sombrero


Galáxia Olho Negro

Galáxia do Redemoinho

Nosso endereço cósmico... (click para ampliar)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Marcadores

10 anos 10th IMAA ABC da Astronomia Adonai Lopes Alinhamento anã fria andrômeda Antimatéria Asteroides Astrobiologia Astrofísica Astronauta Astronomia Astronomia na Praça Bibliografias Big Bang bolha Brasil Buraco Negro Calendários Caravana da Ciência e Cidadania Carl Sagan Caronte CARONTE 2016 Caronte no 10th IMAA Cataclismos CERN céu cfc China chuva Cinturão de Kuiper Clube Caronte Cometa Cometas competição Constelações Corpos Extrasolares Cosmologia Curiosidades Curiosity descoberta Divulgação Eclipse Eclipse Lunar efeitos Efeméredes Einstein Elias Cloy Encontro Internacional de Astronomia e Astronáutica Eratóstenes ESA ESO espaço estrela Estrelas Eventos Exoplanetas Exploração Espacial Extensão Fenômenos Naturais Fim do Universo Física Moderna Foguetes foto Gagarin Gagarin O Primeiro no Espaço | Filme Completo galaxia Galáxias garrafa pet Gigantes Vermelhas Grandes astrônomos Gravidade Grécia Greenglow História Astronômica IAU IFF IFFluminense Campus Itaperuna IMAA Imagens da Semana Índia Início dos trabalhos ISS Itaperuna Júpiter Kepler laranjada Lixo Espacial Louis Cruls Lua Mark Zuckerberg Marte Matéria e Energia Escura membros do clube Mercúrio Meteorologia Meteoros Missão Marte mistériio Mitologia Mitologia Indígena MOFOG mundo Nasa NASA publica a maior foto mundo!! Nely Bastos Nicolau Copérnico Nobel Notícias Notícias de Astronomia O projeto misterioso OBA objerto Observação celeste oficina Ondas Gravitacionais ONU Origem da Vida Pesquisas Públicas Planeta anão Planetas planetas habitáveis Plutão Poluição Luminosa Popularização da Ciência Premiação I Competição de Foguetes Caronte Premiação OBA 2016 Prof. Adriano Ferrarez Pulsar Quasar Radiotelescópios Relatividade robô Rodrigo de O. França Ron Evans Rússia Salvar a Humanidade Satélites Satélites Artificiais Saturno Sávio Andrade SERÁ QUE O SER HUMANO PODERÁ MESMO VIVER NO ESPAÇO? Sistema Solar Sol Sondas SpaceX Stephen Hawking superlua Telescópio Hubble Telescópios Tempestade Solar Terça dia 22/03/2016 Terra Universo Vênus Very Large Telescope (VLT) Via Láctea Viagem Interestelar Vida Extraterrestre Vídeos